fbpx

O pão nosso de cada dia

Produzido pela primeira vez há seis mil anos, o pão é um dos alimentos mais importantes do mundo, encontrado e consumido em praticamente todos os lugares. Acredita-se que os primeiros pães tenham surgido junto com o cultivo do trigo, na região da Mesopotâmia, onde atualmente é o Iraque, e eram produzidos com farinha – na verdade, historiadores supõem que o trigo usado na receita era mastigado, para formar uma “farinha” mais grossa – misturada ao fruto do carvalho ou nozes. Seriam alimentos achatados, duros, secos e que não podiam ser consumidos logo depois de prontos por serem bastante amargos, sendo necessário lavá-los em água fervente por diversas vezes antes de serem preparadas as broas, que depois eram expostas ao sol para secar. Tais broas eram assadas da mesma forma que os bolos, sobre pedras quentes ou embaixo de cinzas.

Pão integral é a melhor escolha

Hoje em dia, o pão está disseminado pelo mundo e é um alimento importante para a correria dos dias de hoje. Quem explica é a nutricionista Chris Vitola: “O pão é fonte de carboidratos, essenciais para a alimentação. Os carboidratos nos dão energia, são a base da pirâmide alimentar, ou seja, precisam estar presentes na maioria das refeições”.

Mas Chris esclarece que é necessário saber escolher direitinho qual pão consumir. “Precisamos escolher pães melhores, como os integrais, por exemplo”. E explica por que: “É que todo pão e todo carboidrato, depois que passam pelo processo digestivo, viram açúcar na corrente sanguínea, então temos que optar por pães que virem açúcar mais lentamente, ou seja, os integrais. Carboidratos refinados ou brancos – como os do pão francês – viram açúcar muito rapidamente, pois são isentos de fibras (responsáveis por essa liberação lenta), e por isso se tornam prejudiciais para o organismo e para a balança! Alimentos refinados estimulam maior secreção de insulina, que, além de sobrecarregar o pâncreas, gera acúmulo de gordura. Optar sempre pelo pão integral é a dica, pois, além das fibras, possui vários nutrientes, como ferro, vitaminas, magnésio, etc.

Aprecie com moderação

Chris lembra ainda que o consumo de pão não é liberado à noite: “Segundo a orientação da pirâmide alimentar, devemos consumir carboidratos ao longo do dia, por isso, opte por comer pães no café da manhã, e no máximo duas fatias”. Algumas pessoas não podem consumir pão comum, devido ao glúten, que é uma proteína presente no trigo, no centeio ou na cevada. Essas pessoas têm a chamada Doença Celíaca. Mas existem opções de pães sem trigo, feitos com outras farinhas, como farinha de arroz, de batata, de mandioca, etc.

Finger Food com ovas de salmão

Ingredientes

500 g de farinha de trigo integral

250 g de farinha de trigo

125 g de aveia grossa

125 g de aveia fina

4 colheres de sopa de óleo

1 colher de sobremesa de fermento biológico

3 xícaras de água

sal marinho a gosto

Modo de fazer:

Misture as farinhas, a aveia e o sal, depois acrescente o óleo e água aos poucos, até que a massa formada desgrude das mãos. Sove bastante a massa e deixe-a descansar por 30 minutos.

Sove novamente, divida a massa em quantos pedaços desejar, coloque cada pedaço em uma forma untada e espere crescer, até dobrar de tamanho. Leve ao forno pré-aquecido a 150 graus e asse por 40 minutos.

Você sabia?

O pão é tão importante na nossa civilização que a palavra “companheiro” vem da expressão latina cum panis, e significa “aquele com quem dividimos o pão”.

01 de Agosto de 2019
Por Redação

Posts Relacionados

  • Finger Foods

Finger Food: Delícias na ponta dos dedos

Gastronomia|

Se nossos ancestrais mais antigos não conheciam os talheres, até pouco tempo atrás atípico mesmo era encontrar alguém comendo apenas com as mãos. No entanto, o modo de servir em festas e eventos foi sendo lapidado, levando a praticidade ao mais refinado patamar e tornando cada vez mais comum ouvir por aí sobre o tão falado finger food

2019-08-05T11:04:13-03:00