fbpx

Em ascensão, Atitude 67 revela em entrevista exclusiva novo projeto para esse ano

Grupo está rodando o Brasil com a turnê ‘‘Saideira’’

Com mais de 135 milhões de visualizações no clipe de ‘‘Cerveja de garrafa’’, no Youtube, o grupo de pagode Atitude 67 está na estrada há alguns anos, desde que seus integrantes (Pedrinho, Éric, Karan, GP, Leandro e Regê) formaram a banda na adolescência, em Campo Grande, Mato Grosso do Sul, inspirados por Inimigos da HP e Jeito Moleque.

Mesmo tocando em bares da cidade com cada vez mais frequência, depois do colégio, cada um seguiu seus passos para faculdade e trabalho. Mas, em 2016, os caminhos dos amigos e integrantes se cruzaram novamente e, então, todos decidiram deixar as carreiras de advogado, jornalista, oceanógrafo, empresário e arquiteto de lado para se dedicarem exclusivamente à música.

A partir daí, todos se mudaram pra São Paulo para começar a nova jornada que já dura três anos. Depois de muito esforço, o grupo conheceu artistas já renomados na música brasileira como Luan Santana e Thiaguinho que, mais tarde, se tornaria padrinho musical do grupo.

Em entrevista exclusiva ao Portal Woods, o grupo – que sempre bate palma para quem entra em seu camarim – falou, de uma maneira descontraída, sobre suas composições e outros assuntos. Veja!

As músicas de vocês são baseadas em histórias reais, mas existe alguma que não entrou no repertório ou não foi gravada por ser uma história muito diferente?

Na verdade, tudo que a gente escreve vai entrar em um disco algum dia na vida. Isso [de ser uma história muito diferente] não é o critério que a gente utiliza. Quando a gente fala que são músicas de histórias reais, elas são reais mesmo, mas muitas delas são sentimentos e coisas que a gente vive que a gente coloca em outro formato. O que eu quero dizer com isso é que as músicas partem de uma verdade nossa ou de histórias que a gente viveu, ou de sentimentos e situações que a gente quer retratar em música. E por mais esquisitona que ela seja, uma hora chega a hora dela de mostrar um momento ‘‘esquisito’’ nosso, uma verdade mais ‘‘esquisita’’.

Vamos falar da festa ‘‘Saideira’’, que é a que vocês estão rodando o Brasil, atualmente. Como surgiu essa ideia?

A ‘‘Saideira’’ é um projeto nosso, que a gente tem pensado há muito tempo. Como já diz a música, a gente gosta muito de ‘‘saideira’’, então isso retrata muito essa parada nossa, e a festa vem muito dessa verdade. A gente quer fazer uma parada diferente dos shows convencionais, que são esses que rolam normalmente, então a gente faz essa [brincadeira] com a ‘‘saideira’’. E essa é uma ideia mais madura pra esse evento, que é [uma ideia] de trazer a galera pra mais perto da gente, que é uma coisa mais intimista e, nela, a gente consegue tocar quase todas as músicas que a gente já gravou e que a gente não consegue fazer nesses shows normais.

Quais são os próximos passos da banda depois desse último EP que saiu, o ‘‘Luau 67’’?

Você quer spoiler? (Risos). O GP é bem bom de spoiler (risos). Bom, logo vai sair um novo trabalho. A galera pode ficar esperando nas redes sociais, no nosso canal no Youtube, que em breve estão chegando mais informações de um trabalho novo. A gente está muito feliz de [logo mais] colocar isso pra galera escutar!

Postado 03 de Junho de 2019
Por Lola Dias

Posts Relacionados

Os donos das Paradas

Entrevista|

Seja “Namorando Todo Mundo” Ou “Perturbando Em Um Domingo De Manhã”, a dupla botou todo o Brasil pra cantar e dançar os seus sucessos, e vem arrastando multidões por onde passa.

2019-05-28T11:04:54-03:00