fbpx

A nova estrela do Pop

“Vou reerguer o meu castelo

Ferro e martelo

Reconquistar o que eu perdi

Eu sei que vão tentar me destruir,

mas vou me reconstruir

Voltar mais forte que antes”

Assim começa “Pesadão”, o hit que a cantora Iza emplacou nas rádios brasileiras, ao lado de Marcelo Falcão, e o primeiro single do EP “Dona de Mim”. Os versos cheios de atitude refletem a personalidade guerreira da cantora, que é um dos maiores expoentes pop da atualidade.

Com letras que falam sobre empoderamento e autoafirmação, Isabela Lima, mais conhecida como Iza, conquistou o Brasil. Carioca e virginiana, ela nasceu em uma família artística. A mãe é professora de música, o pai, sambista, e ela própria integrou desde pequena o coral da igreja.

Foi nos CDs do pai que ela teve contato com as primeiras inspirações, nomes consagrados da música mundial, como George Benson, Michael Jackson e Donna Summer. Mas o medo de se expor para o grande público a fez optar pelo curso de

Publicidade, o que se tornou muito importante mais tarde, para o gerenciamento da carreira artística.

Sentindo que o dom a chamava, ela largou tudo para seguir a música. Postou alguns vídeos no YouTube, e dentro de pouco tempo assinava contrato com uma grande gravadora. O reconhecimento do público aconteceu com o sucesso estrondoso de “Pesadão”, colocando Iza nas listas das músicas mais executadas das rádios brasileiras.

Ela esteve no programa BACKSTAGE da Wood’s FM e falou sobre sua história, carreira e sucessos. A Wood’s Magazine separou o melhor da entrevista, que você confere a seguir.

Iza, conte um pouco sobre a sua história, você teve criação artística dentro da música, não é?

Sim, a minha mãe é professora de música, formada em História da Arte. Meu pai tocava em grupo de samba. A minha família inteira é envolvida com a música. Tenho outros tios que cresceram em escolas de samba, por exemplo. As irmãs da minha mãe também são formadas em música. Eu cantava muito na igreja, mas era mais um hobby do que profissão. Eu sempre sonhei em poder cantar, mas morria de medo. Então acabei me formando em Publicidade e trabalhei com isso por muito tempo. Foi quando decidi largar tudo e me tornar cantora.

E qual foi a reação de sua mãe quando você contou que queria ser cantora?

Quando contei o que pretendia fazer, a resposta da minha mãe foi inusitada. Ela disse “Que bom, né? Até que enfim! Que bom que você se tocou” (risos). Foi super legal da parte dela. Meus pais foram super compreensivos.

E de onde veio a ideia de fazer covers para o YouTube?

Eu queria criar uma base de fãs, ser reconhecida pelo meu trabalho. Queria que as pessoas soubessem que eu era cantora, porque nem os meus amigos sabiam disso.

E eu também queria fazer alguma coisa porque estava desempregada (risos). O YouTube me ajudou muito. Tive visibilidade, criei um portfólio, vendi meus shows e mandei para as gravadoras.

E você acha que o reconhecimento aconteceu rápido?

Eu sou virginiana, então, na minha visão, demorou (risos). Mas as pessoas falam que foi rápido, e eu entendo que sim. Tem gente que fica muito tempo no YouTube até ser descoberto por uma gravadora. Eu acho que eu não tinha nem um ano de canal quando a primeira gravadora entrou em contato. Então, sendo bem realista, acho que foi rápido, sim.

Eu li que você considerou sua participação no show do CeeLo Green, no Rock in Rio, o primeiro grande show de sua vida. Como foram a experiência e o convite?

Foi sensacional! Eu cantei no aniversário do Paulo Gustavo (ator), que hoje em dia é um grande amigo meu, e o Zé Ricardo, diretor artístico do Palco Sunset no Rock in Rio, estava lá. Foi ele que sugeriu o meu nome para o CeeLo Green. Eu lembro que o primeiro ensaio foi um dia antes, e não serviu para nada, porque eu continuei nervosa (risos). Mas dividir o palco do Rock in Rio com o CeeLo, que é uma das vozes mais bonitas que eu já ouvi, para 85 mil pessoas, sendo transmitido para o Brasil inteiro, foi uma emoção muito grande.

Você acha que foi um ponto de amadurecimento de sua carreira?

Com certeza! Muita gente acabou me conhecendo ali e passou a procurar o meu trabalho. E foi então que me dei conta de que sou corajosa. Porque tem que ter coragem para fazer um negócio desses, viu? Antes de eu subir ao palco dá um nervosismo. Quando eu abria o show para o Coldplay, me dava uma suadeira (sic), pânico, dor de barriga. Dá vontade de morrer. Eu sempre fico pensando “Por que fui escolher ser cantora? “, “O que eu estou fazendo aqui? “ (risos).

Conforme afirmou em uma entrevista, você é muito mais que a sua música, e precisa dizer para o mercado quem você é. Você acha que quem não se autoafirma no mercado pop acaba sendo engolido por ele?

Logo que comecei, eu não sabia o que queria cantar, porque eu tinha muitas referências. Eu amo pop, reggae, blues, jazz. E era muito mais nova. Mas entendi como é importante saber o que se quer. Porque quando você não sabe o que quer, as pessoas acabam lhe dizendo o que você quer. Eu amadureci muito tentando entender o meu caminho. E com a Publicidade, entendi que, como artista, sou muito mais que minha música, também sou aquilo que visto, que falo, a maneira como eu levanto, os lugares a que vou, as pessoas com quem convivo. Tudo importa. Por isso achei importante me definir como cantora.

Você foi capa de uma famosa revista recentemente, você sonhava com isso?

Eu queria me ver nos lugares, porque era muito raro ver uma pessoa parecida comigo por aí. Eu queria me ver, me sentir representada.

E como é expor a sua vida pessoal ao público?

Eu estou sempre me resguardando muito e pensando sobre o que vou dizer. Se uma pessoa pública se expõe muito, as pessoas acabam fazendo parte disso, pois tudo está sendo compartilhado com elas.

Você já comentou em algumas entrevistas que tinha dificuldade de se aceitar, qual foi o ponto de virada para a autoaceitação?

Eu cansei de tentar me adequar e agradar aos outros. Não valia a pena. No fim das contas, eu não estava feliz. Então achei mais fácil me olhar no espelho e começar a me aceitar do jeito que sou.

Postado 16 de Novembro de 2018
Por Redação

Posts Relacionados

A nova estrela do Pop

Entrevista|

Os versos cheios de atitude refletem a personalidade guerreira da cantora, que é um dos maiores expoentes pop da atualidade. Com letras que falam sobre empoderamento e autoafirmação, Isabela Lima, mais conhecida como Iza, conquistou o Brasil.

2018-12-21T15:04:49+00:00