fbpx

Serviços de Streaming, Instagram e popularização de novos artistas

Alô? Eu queria pedir a música, É o Amor, do Zezé di Camargo e Luciano?

Essa cena clássica do filme Dois Filhos de Francisco retrata bem como os artistas chegavam nos lares, trabalhos e na vida das pessoas. Era através das ondas do rádio que os grandes sucessos de duplas, cantores e artistas ganhavam o Brasil.

O meio mais popular e democrático da comunicação ajudava artistas a chegarem em lugares que muita gente nem sabia que existia no mapa. E a lógica é simples, quanto mais o artista toca nas rádios, mais ele é conhecido, com isso mais aumenta a procura por seus álbuns nas lojas e quanto mais o público quer, mais shows o artista faz. Quanto mais shows, mais conhecido o artista fica e assim continua o ciclo.

A ERA DOS DISCOS

Quem nasceu lá pelos anos 80, certamente lembra de artistas indo em programas dominicais receber o tão sonhado disco de diamante, que apesar de ser só um quadro com um disco prata com a capa do álbum em questão, representava muita coisa. Sim, mais de 300 mil cópias vendidas. Comparado aos dias de hoje, esse número não é tão expressivo, visto que com a facilidade que temos hoje, com poucos cliques podemos comprar uma discografia de qualquer artista ou melhor, podemos ouvir a discografia de qualquer artista pagando um valor por mês, mas isso é um assunto pra daqui a pouco. Para entender melhor como eram definidas os certificados dos álbuns, segue a tiragem necessária de cópias vendidas;

Disco de Diamante: 300.00 cópias

Disco de Platina: 80.000 cópias

Disco de Ouro: 40.000 cópias

Fonte: Pro- Música Brasil (PMB) é a entidade oficial do Brasil que representa as principais gravadoras do mercado fonográfico do país.

A título de curiosidade, o disco mais vendido do mundo é do Rei do Pop. O álbum Thriller(1982) do Michael Jackson, vendeu mais de 51 milhões de cópias. Pra você ter uma ideia da dimensão desse número, seria como se toda a população da Coréia do Sul fossem as lojas e comprassem o cd. Aproveitando que lembramos dessa época da nossa indústria da música, fica aí uma curiosidade dos artistas que mais venderam cds, DVD’s e dowloads no Brasil.

01 – Roberto Carlos: 120 milhões

02 – Nelson Gonçalves: 75 milhões

03 – Rita Lee: 55 milhões

04 – Tonico & Tinoco: 50 milhões

05 – Xuxa: 50 milhões

06 – Nelson Ned: 45 milhões

07 – Chitãozinho e Xororó: 37 milhões

08 – Milionário e José Rico: 32 milhões

09 – Raça Negra: 30 milhões

10 – Maria Bethânia: 26 milhões

BEM-VINDO AO SEU NOVO JEITO DE CONSUMIR MÚSICA

Quando Steve Jobs subiu ao palco para apresentar o iPod, em 2001, ele sabia que aquele aparelhinho pequeno traria grandes transformações no mundo da música.

A praticidade de ter milhares de músicas ao alcance das mãos fez com que tornássemos consumidores mais assíduos de música. O surgimento do serviço de streaming como Spotify, Deezer, Tidal além de trazer comodidade e facilidade, também trouxe uma mudança significativa na nossa relação com a música.

Hoje música, cd, dvds não são coisas que a gente compra e sim algo que a gente acessa. Essa característica dos millenials de não ter coisas, mas acessar as coisas contribui para essa mudança na relação entre músicos, artistas, gravadoras, serviços de streamings e o público.

VOCÊ É O QUE VOCÊ COMPARTILHA

Faz a pose, confere se a luz tá boa e pronto. Mais uma selfie que vai parar em alguma rede social. E aquele texto daquele autor badalado, também vai pras redes sociais.

A foto do almoço, aquela foto do time no estádio, o happy hour, tudo vai parar nas redes sociais. Compartilhar faz parte do ser humano, queremos mostrar para os outros coisas que mexem com a gente, seja uma reflexão profunda ou até mesmo uma piada que circula nos grupos do Whats. E se tem uma coisa que é comum em quase todo ser humano é paixão por música. Mandamos para os nossos pais, namorados, amigos e se tem uma forma de mandar para todas essas pessoas ao mesmo tempo é compartilhando nas redes sociais.

Artista + Spotify + Instagram

Entre uma foto daquele prato daquele macarrão preparado com tanto cuidado e a foto do pet, tá lá o print daquele hit do momento. Quem é essa banda que minha amiga tanto compartilha? Por que todo mundo tá postando música desse cara? Pronto, aquela nossa necessidade de não querer ficar de fora do que está acontecendo foi ativada, corremos pro Youtube ou pro Spotify e já jogamos o nome do sujeito na busca. Já vimos a cara do cidadão, como ele se veste, estilo da música e muito mais. Quando menos percebemos, estamos lá no stories compartilhando aquele hit que não sai da cabeça.

 E O DISCO STREAMING DE PLATINA VAI PARA

A partir de 2016, a RIAA (Associação da Indústria Fonográfica dos EUA) passou a considerar 1.500 streamings de músicas com a venda de 1 álbum, enquanto 150 streamings conferia o download de uma única canção. O polêmico rapper Kanye West foi o primeiro artistas e se beneficiar com essa mudança. É dele o primeiro disco de streaming a conseguir certificado de platina nos Estados Unidos. O álbum The Life of Pablo, lançado em 2016 já alcançou a marca de 3 bilhões de reproduções pelo mundo. Lembrando que o álbum não tem versão física.

Os avanços tecnológicos e a nova formas das pessoas consumirem conteúdo tem gerado transformações em várias áreas e no mercado fonográfico não é diferente. Se antes o público fazia fila em frente às lojas em busca do novo álbum do artista, agora é o artista que tem que saber como e onde ser acessível para o público. E quem compreender como os millennials querem se relacionar com o conteúdo musical, certamente colherá ótimos frutos.

  SPOTIFY WOODS

Não importa o seu estilo musical, se de manhã você ouve sertanejo, a tarde rock e a noite funk, certamente temos uma playlists que vai colocar mais diversão no seu dia. Ouça, curta, compartilhe, afinal a vida é muito mais divertida com uma boa trilha sonora.

Postado 18 de Março de 2019
Por Robson Reis

Posts Relacionados

2019-02-01T16:29:00+00:00