fbpx

Dia Mundial do Rádio comemorado hoje, também serve para refletir a importância do veículo nos dias atuais

Todo ano, no dia 13 de fevereiro, é comemorado o Dia Mundial do Rádio para celebrar a rádio como um meio de comunicação. O dia foi proclamado em 2011, pela Trigésima Sexta Conferência Geral da UNESCO e depois, originalmente proposta pelo Reino da Espanha como o dia oficial, tendo sua primeira comemoração feita em 13 de fevereiro de 2012.

Além disso, o dia 13 de fevereiro serve para que os radialistas, donos e pessoas que trabalham em uma rádio ou estão relacionadas direta ou indiretamente, lembrem-se que esse veículo pode ser considerado um dos mais importantes entre todos. Alguns especialistas afirmam que, mesmo com o advento da internet, o rádio é um dos maiores veículos de comunicação. Segundo a organização Observatório da Imprensa, a mensagem do rádio é forte.

Em muitos filmes de ação ou ficção cientifica, por exemplo, o rádio é, na maioria das vezes, o único meio de comunicação entre uma população; é pelo rádio que os personagens ficam sabendo da situação de outros locais ou pessoas.

No mundo real, hoje em dia, apesar de muitas pessoas acreditarem que o rádio está morrendo – assim como acreditavam que o cinema seria extinto após o nascimento da televisão – o rádio continua firme em milhares de casas, carros, celulares, computadores e rádios convencionais. O rádio é o primeiro veículo, em muitos casos, a dar em primeira mão uma notícia apurada e confirmada com fontes oficiais e confiáveis, em casos de estações focadas no jornalismo. Já em estações de entretenimento, é o primeiro, em muitos casos, a ter novidades exclusivas como lançamentos, promoções, entrevistas com personalidades, artistas e celebridades, entregando ao ouvinte tudo que ele precisa saber de um jeito simples e rápido. De acordo com o jornalista Ricardo Boechat, um dos maiores comunicadores do Brasil até hoje – e que, infelizmente faleceu neste ano, dois dias antes do Dia Mundial do Rádio – em entrevista para a Unesco Brasil, ”o rádio não é incompatível com nenhuma outra atividade que você esteja desenvolvendo. Ele não compromete sua visão (…); ele não compromete o manuseio das coisas (…); ele não compromete a tua fala e te permite, também, ter uma instantaneidade na informação”.

Dos anos 2008 até os dias atuais, o rádio foi tomando outras formas além da convencional: AM e FM. Surgiram e continuam surgindo mais e mais rádios online, com programações específicas que atendem certo tipo de público, além dos chamados podcasts, que são programas de áudio gravados ou ao vivo onde um ou mais membros discutem sobre diversos temas por uma média de 40 minutos, sem intervalos ou comerciais no meio da discussão.

O rádio tem e sempre terá seu espaço nos meios de comunicação. As histórias contadas por esse veículo estão e sempre estarão vivas nas memórias de quem as ouve, assim como ficarão nas memórias de quem as conta.

Texto: Lola Dias

Foto: Reprodução/Internet/Lola Dias

Postado 13 de fevereiro de 2019

Posts Relacionados

Projeto sobre performances em espaços urbanos chega em Curitiba

Drops|

Com o projeto Free Seat, contemplado pelo Rumos Itaú Cultural 2017-2018, o músico brasileiro Pedro Carneiro Silva, o cineasta alemão-iraniano Ardalan Aram e artista visual Pedro Victor Brandão, chegam em Curitiba (PR) e ministram workshop sobre diversas linguagens da arte em diálogo com os espaços urbanos.

2019-02-14T08:54:15+00:00